Muito além dos benefícios físicos

Ao longo do Viva Bem apresentamos uma série de dicas a partir do conhecimento dos nossos dois convidados: A nutricionista Andressa Langlois e o educador físico Ícaro Mendes. Hoje, encerramos a série com um apanhado de ganhos que vão te convencer que ao aliar atividades físicas e alimentação equilibrada, conquistamos muito mais do que benefícios físicos, ganhamos benefícios para o resto da vida. 💪 #SeasonFinale

 

 


Viva bem Tordilho.

Clique aqui e confira a série completa


 

 

 

No episódio de hoje você confere uma série de dicas finais para não perder nenhum dos benefícios que os nossos convidados apontaram. #TeLigaNasDicas

 

Não é de hoje que ter um sono de qualidade implica diretamente no cotidiano das pessoas. Porém o que nem sempre fica claro é a relação dessa qualidade com a alimentação e com a prática de atividades físicas. 💤
Segundo o educador físico, Ícaro Mendes, ”quando uma pessoa pratica um exercício físico, isso faz com que o cérebro libere algumas substâncias importantes como endorfina, dopamina, serotonina e leptina, que controlam ansiedade e saciedade, além de promoverem a sensação de bem-estar, e isso resulta em um relaxamento maior, e, portanto, ajuda a pessoa a dormir melhor. E conseguindo dormir um sono profundo, ela vai estar mais disposta no dia seguinte”.

 

Quando praticamos atividades físicas, o corpo libera endorfina, que é responsável pela sensação de bem-estar. Além disso, a substância também contribui para atingirmos um sono de qualidade, sendo um dos motivos por que pessoas que se exercitam têm mais facilidade para adormecer. Quem deixa a rotina sedentária de lado atinge um sono mais profundo e menos fragmentado, o que resulta em um acordar mais relaxado na próxima manhã.

 

Mas calma lá, é bom reservar um horário para a atividade física até quatro horas antes de ir dormir, para que isso não interfira negativamente no sono. Quem prefere se exercitar durante a noite deve escolher modalidades moderadas, pois atividades intensas podem interferir no fluxo do sono e impedir que o processo de reparação ocorra da maneira certa.
“O sono é muito bom para as atividades físicas, assim como as atividades físicas são muito boas para o sono”, destaca Ícaro.

 

 

 

Caminhada ou corrida: A prática regular de atividades aeróbicas, como a caminhada, reduz os níveis de estresse e ansiedade e melhora a qualidade do sono.

 

Pilates: A prática proporciona relaxamento, gera maior sintonia entre corpo e mente e, assim, ajuda a combater a insônia.

 

Yoga: É uma prática milenar que ajuda na respiração e melhora a concentração. A prática regular ainda confere mais força, energia, equilíbrio e promove a sensação de relaxamento. Esses benefícios certamente ajudam a ter uma noite tranquila.
Natação e hidroginástica: Atividades na água não apenas promovem relaxamento muscular como também são importantes para melhorar a circulação sanguínea.

 

Além da prática de exercícios, alguns alimentos podem ser atribuídos como perfeitos aliados na busca pelo sono de qualidade. Alimentos ricos em triptofano devem estar presentes nas suas refeições. Pois esse aminoácido regula níveis de serotonina no cérebro, e consequentemente diminui a atividade do organismo, provocando o relaxamento do corpo.

 

 

 

▫ Leite: Um copo de leite quente, servido cerca de 30 minutos antes de dormir, ajuda a ter uma noite tranqüila, pois a bebida é rica em triptofano.

 

▫ Mel: Aumentar o açúcar no sangue pode reduzir a produção de orexina no cérebro, um neurotransmissor que recentemente tem sido ligado à insônia. Para potencializar o efeito do leite morno basta acrescentar uma colher de mel.

 

▫ Chá de camomila: A bebida exerce um efeito calmante sobre o corpo. Além disso, um líquido quente antes de dormir pode aumentar o calor do corpo e deixá-lo sonolento.

 

▫ Cereja: A fruta é outra fonte de melatonina. Pode ser consumida fresca como sobremesa ou em forma de suco junto com o jantar.

 

▫ Couve: Composta por magnésio, atua no relaxamento muscular e ajuda o corpo a deixar de lado as tensões do dia para descansar.

 

▫ Alface: Também constituída de triptofano, a verdura pode ser consumida na última refeição do dia em saladas, ou ainda em chás e sucos.

 

▫ Chocolate amargo: O doce contém serotonina, que relaxa a mente e o corpo.

 

 

 

Agora que a gente já sabe sobre a interferência que a alimentação e a prática de atividades físicas têm sobre o sono, vamos entender como isso reflete na disposição.

 

Naturalmente, dormindo melhor, já ganhamos um up nos índices de energia para o dia-a-dia. Porém, mais uma vez a alimentação e os exercícios físicos podem resultar em mais disposição para enfrentar as tarefas diárias.

 

Os alimentos são fontes de força e energia, especialmente os carboidratos. Antes dos treinos é importante consumi-los, de preferência em sua forma integral. Algumas opções são os grãos integrais, a exemplo da quinoa e arroz, que também são boas fontes de fibra.
Segundo Andressa, “alimentos a base de carboidrato costumam ser bons aliados para disponibilizar mais energia, porém é preciso escolher os carboidratos do bem, e não os empacotados/industrializados. Frutas combinadas com canela ou cacau,podem ser uma boa opção para quem busca mais energia”.

 

Além de carboidratos como pães, massas e tubérculos, é importante que sejam consumidas frutas, legumes e verduras, pois estes possuem vitaminas energéticas na composição nutricional. Uma alimentação adequada proporciona um equilíbrio dos nutrientes essenciais para o fornecimento de energia, assim como ajuda a diminuir o cansaço e aumenta a disposição.

 

Ao contrário do que se imagina, a prática de atividades físicas regulares ajuda as pessoas no quesito disposição. Pessoas que mantém algum tipo de exercício físico em sua rotina são, geralmente, mais produtivas e têm mais energia. E os resultados são melhores ainda se a prática for aeróbica.

 

 

 

Quem acha que uma boa alimentação associada a uma rotina correta de atividades físicas impacta na melhora da cognição pode marcar mais um pontinho no jogo de viver bem.

 

Através dos alimentos é possível melhorar a concentração e conseguir benefícios em melhora cognitiva e rendimento diário, seja no trabalho ou estudos”, ressalta a nutricionista.
Optar por alimentos mais naturais e saudáveis, por exemplo, pode influir na melhora do raciocínio, memória, produtividade e concentração. Ou seja, se o seu cérebro recebe uma quantidade correta de nutrientes, ele obtém um desempenho melhor. Alimentos como peixes, oleaginosas e azeites, ajudam a melhorar a nossa capacidade de memorização, de raciocínio e de resistir ao cansaço mental.

 

No caso das atividades físicas, a prática contínua melhora a memória e a capacidade de aprender coisas novas, pois aumenta a produção de células do hipocampo, que são responsáveis por essas capacidades. Cerca de 30 minutos de exercícios leva a um aumento da velocidade normal da memória. No entanto, para usufruir bem desses benefícios, é preciso que a intensidade do treino seja controlada para que o cérebro não receba muitos estímulos de uma vez, pois isso pode minimizar os ganhos.
Segundo estudos realizados, existe uma relação da melhora da cognição a partir da ótica de que uma pessoa que pratica exercícios descansa melhor e com isso, ela vai render melhor no outro dia e vai conseguir executar as coisas mais facilmente, assimilando melhor as atividades“, destaca o educador físico.

 

 

Viva bem com qualidade de vida

 

Além dos benefícios citados até agora, outras benefícios podem ser facilmente associados à prática de exercícios físicos e a boa alimentação.

 

 

> ▫ Humor melhor ▫
Alguns alimentos são capazes de trazer a sensação de alegria e bem-estar. É o caso, por exemplo, da banana, que ajuda na formação da serotonina, hormônio da felicidade, dos ovos que ajudam a promover o bem-estar mental e da pimenta que eleva a produção de endorfina. Outros alimentos que fazem bem para o humor são a laranja, o leite, a aveia, o arroz integral e as oleaginosas.

 

> ▫ Menos estresse ▫
Uma alimentação saudável pode ser uma ótima aliada na diminuição do estresse, assim como a prática de atividades físicas. Além do chá de camomila, existem outros alimentos que possuem a capacidade de nos deixar mais calmos e moderar o nível de cortisol no nosso corpo. Frutas cítricas, que são fontes de vitamina C, peixes, que são fontes de ômega 3, e castanhas, que fornecem magnésio, ajudam a reduzir os níveis de cortisol no nosso corpo. No caso das atividades físicas, ao dedicarmos tempo para os exercícios, aumentamos a produção de noradrenalina e adrenalina, substâncias que podem moderar a resposta do cérebro ao estresse.

 

> ▫ Mais autoconfiança ▫
Quando uma pessoa se dedica a pratica de um exercício físico, ela acaba se sentindo mais disposta e confiante para a realização das tarefas cotidianas. Além disso, os benefícios também incluem um ganho de auto estima, já que a imagem que possuímos de nós mesmos também muda com a prática, conseqüente melhorando os índices de autoconfiança.

 

> ▫ Menos ansiedade ▫
Segundo os pesquisadores da Southern Methodist University, nos Estados Unidos, pessoas que apresentam quadros clínicos de ansiedade podem ter os sintomas reduzidos ao realizarem atividades físicas semanais de intensidade moderada. Isso se justifica, pois ao concentrarem-se no treino, as pessoas esquecem por determinado tempo os problemas que intensificam os quadros de ansiedade. Além disso, segundo o educador físico, “exercícios de alta intensidade podem geral algum nível de estresse”.

 


 

UMA VIDA MELHOR

 

Ter hábitos saudáveis, associando a prática de atividades físicas e uma alimentação equilibrada, proporciona muitos ganhos em saúde, prevenção de doenças, melhor desempenho nas atividades diárias, e, portanto, em qualidade de vida. Ao longo do Viva Bem, aprendemos que os benefícios não se aplicam apenas ao nosso hoje, eles permanecem e resultam em uma vida melhor.
Esse foi o nosso último episódio da série. Até uma próxima e viva bem!
#VivaBemComTordilho

Desenvolvido por Me Gusta Digital